O Cálculo

A história da humanidade sempre esteve marcada por incessantes buscas pelo conhecimento e avanços que gerem a evolução do Homo sapiens. O século XVII, assim como todos de nossa história, foi marcado pela caça à uma ciência que fosse aplicável à nossa evolução e contribuísse para o atual cenário de pioneirismo humano.

Neste século, os estudiosos buscavam por uma ciência que conseguisse resolver os problemas científicos referidos à fórmulas que descrevem todo o complexo movimento de um corpo e as figuras que este poderia gerar. Inúmeras tentativas foram realizadas para se chegar ao que hoje é denominado como Cálculo. Os pioneiros Isaac Newton e Gottfried Wilhelm Leibniz contribuíram, de forma independente, para que esta área da ciência matemática fosse desenvolvida.

Isaac Newton (1642-1727)

O popular Isaac Newton abrilhanta a história da ciência humana com suas relevantes contribuições. O inglês, têm em sua trajetória de ensinos, uma intrigante história. Ao ser admitido na Trinity College, em Cambridge, Newton apresentava uma importante deficiência em geometria.

O orientador e quase homônimo de Isaac Newton, o professor e premiado matemático, Isaac Barrow, contribuiu de forma significativa para que Newton se empenhasse à matemática e ciências em geral. E, assim, se tornasse o fenômeno que contribuiu para conhecimentos aplicados em livros das mais diversas áreas.

Os anos, 1665 e 1666, foram marcados pela presença da peste negra no mundo, esta doença, dizimou muitos cidadãos. Neste período, Isaac Newton refugiou-se na Inglaterra, e, contribuiu de forma significativa para o arcabouço da ciência moderna, o Cálculo, havia sido descoberto. Assim, esse estudioso, reconheceu os princípios subjacentes ao movimento dos corpos do sistema planetário, conjecturou a existência da força gravitacional e determinou que a luz solar branca é composta de todas as outras cores, indo do vermelho ao violeta.

No ano de 1667, Newton, retornou a Cambridge, obtém o grau de mestre e torna-se professor no Trinity College. Em 1669, a cadeira de seu orientador, Barrow, é ocupada por Newton, e assim, inspirado pela busca científica constante, este, consegue contribuir ainda mais com a história de inovações humanas. Desta forma, nesta época, foram desenvolvidas contribuições que conhecemos atualmente, como a lei da gravidade, as leis básicas da ótica, da termodinâmica e da hidrodinâmica, além disso, ele foi capaz de projetar e construir o primeiro telescópio da era moderna.

As contribuições do alemão Gottfried Wilhelm Leibniz (1646-1716), são reconhecidas nas mais diversas áreas do conhecimento. Este, estudioso, é reconhecido pela maestria que conseguia desenvolver alicerces científicos do Direito à Matemática, ao tempo que percorria os ramos da Filosofia, História e Literatura.

A brilhante história acadêmica de Leibniz é iniciada com seu ingresso aos 15 anos de idade para cursar Direito na Universidade de Leipzig, e, cinco anos mais tarde, doutorou-se nesta matéria, pela Universidade de Altdorf.

O alemão Leibniz, em sua carreira como diplomata, conseguiu travar contato com eminentes matemáticos e cientistas de vários países. Destarte, neste período, recebeu decisivos estímulos para prosseguir na caminhada matemática. O físico Christian Huygens, representa um de seus incentivadores de destaque nessa caminhada.

O estudioso Leibniz, assim como Newton, possui como marco histórico a invenção do Cálculo de modo independente ao que estava sendo desenvolvido por Isaac Newton. Os historiadores da área, relatam quase que por unanimidade que, Leibniz inventou o Cálculo cerca de 10 anos depois de Newton, mas os resultados por ele obtidos foram tornados públicos 20 anos antes dos de Isaac Newton.

Enfim, na atualidade, as contribuições destes cientistas e as noções centrais do Cálculo estão inseridas entre as mais requisitadas tarefas interdisciplinares de modelagem de fenômenos. E então, inerentes às ciências exatas e da natureza, biomédicas e sociais aplicadas, a presença do Cálculo é quase indispensável no âmbito das ciências que se ocupam predominantemente da geração de tecnologias.

Fonte: Howard Anton, Calculus, Wiley, New York, 1992